Fintechs: o que são e onde atuam

Você já celebrou um contrato de crédito 100% online? Tem uma conta num banco digital? Ou até mesmo já pensou em investir depois de conversar com o chatbot de uma corretora? Se respondeu sim a alguma dessas questões, já pode ser considerado como um possível cliente de uma fintech.
Mas o que é exatamente uma fintech? Neste artigo vamos explicar o que são essas empresas, como funcionam e quais são as principais mudanças que trazem para o mercado financeiro.

O que são as fintechs?

As três perguntas feitas no início do texto possuem dois pontos em comum: tecnologia e mercado financeiro. E é daí que vem o termo fintech: da abreviação do termo em inglês Financial Technology (Tecnologia Financeira). Isso significa que os serviços oferecidos por fintechs lidam com diversos aspetos do mercado financeiro da forma mais prática e rápida que conhecemos hoje: através de um smartphone ou computador.

Com o objetivo de usar ferramentas da tecnologia como Inteligência artificial para facilitar a vida dos clientes, as fintechs chegaram ao mercado de startups para oferecer serviços mais fáceis e ágeis do que os oferecidos pelos bancos tradicionais.

Já que pagar contas ou pedir um empréstimo costumam ser atividades não muito agradáveis, as fintechs decidiram tornar todos esses processos financeiros menos dolorosos, burocráticos e complicados, preparando soluções acessíveis e revolucionárias com uma prioridade número 1: o cliente. Por isso, os produtos oferecidos pelas fintechs costumam ser mais rápidos e de fácil uso, porque as fintechs têm como missão atender ao pedido do cliente em primeiro lugar da melhor maneira possível.

Onde atuam as fintechs?

Mesmo que todas essas fintechs tenham a tecnologia e as finanças como ponto em comum, existem diversas áreas de atuação para essas companhias. Veja a seguir as principais áreas que as empresas apostam:

Empréstimos: atualmente, não é mais necessário ir ao banco para ter o seu pedido de empréstimo avaliado – tudo isso pode ser feito 100% online. O pedido do crédito é feito online, assim como a aprovação e acompanhamento do pagamento das parcelas.

Meios de pagamento: Estas empresas estão a criar formas alternativas de pagarmos as nossas contas. Por exemplo, já pensou que pode efetuar pagamentos sem ter nenhum cartão? Basta ter telefone, ou ainda mais simples, através da sua impressão digital

Robôs de investimento: de forma a criar e otimizar a carteira de investimentos para cada cliente, fintechs voltadas para essa área confiam nos robôs de investimentos que montam e acompanham automaticamente as aplicações dos seus clientes. Além disso, corretoras fintechs também apostam nos chatbots de investimento: robôs que conversam com o utilizador, para entender seu objetivo no mercado financeiro e, posteriormente, montar um perfil adequado para as suas aplicações e sugerir os melhores investimentos.

O que muda no mercado financeiro com as fintechs?

Com o avanço das fintechs, muitos serviços financeiros que necessitavam de um contacto presencial entre empresa e cliente foram ficando para trás, colocando a comodidade do cliente como uma das prioridades mais importantes nos serviços financeiros. Assim, inevitavelmente, toda essa agilidade oferecida pelas fintechs acabou desestabilizando os bancos, conhecidos por ter processos burocráticos.

As fintechs mostram como a tecnologia pode ser usada como uma ótima ferramenta para facilitar a vida financeira dos clientes. Por este mesmo motivo, os mesmos bancos burocráticos que acabamos de citar vêm-se na necessidade de renovar os seus serviços para não serem ultrapassados pelas fintechs e conseguirem oferecer agilidade aos seus clientes.

É visível que as fintechs estão a mudar todo o conceito do mercado financeiro, principalmente no ponto de relacionamento entre empresa e cliente. Cabe agora às grandes empresas convencionais conseguirem alcançar o desenvolvimento e agilidade das fintechs.